skip to Main Content
Tabagismo é Fator De Risco Para A LMA

Tabagismo é fator de risco para a LMA

Fumantes têm 40% a mais de chances de desenvolver este tipo de leucemia

Em pacientes com leucemia mieloide aguda (LMA), o histórico de tabagismo foi associado a pior sobrevida e maior incidência de recaída, independentemente da idade e do status de desempenho, de acordo com dados de uma análise retrospectiva de um único centro, apresentados na American Society of Clinical 2019 – Reunião Anual de Oncologia (ASCO) em Chicago, Illinois.

Pesquisas anteriores mostraram que o tabagismo ativo e história de tabagismo é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de LMA, aumentando o risco relativo em 40% e 25%, respectivamente.

A influência da história de tabagismo após o diagnóstico de LMA, no entanto, não é tão bem estudado e menos compreendida. Com isso em mente, os pesquisadores procuraram determinar se o tabagismo também pode afetar a biologia da LMA, além dos resultados clínicos para os pacientes.

“Revisamos todos os pacientes que foram diagnosticados em nosso centro entre junho de 2012 e junho de 2017”, disse Mansour Alfayez, MD, MS, do Centro de Câncer MD Anderson, da Universidade do Texas em Houston.

A pesquisa incluiu pacientes com LMA recém-diagnosticados com história de tabagismo documentada e citogenética, perfis moleculares e resultados clínicos disponíveis. Eles foram colocados em 2 grupos: fumantes e nunca fumantes.

O estudo incluiu 561 pacientes: 272 já fumantes (idade média, 69 anos) e 289 nunca fumantes (idade média, 63 anos). Em ambos os grupos, 53% dos pacientes eram do sexo masculino.

Os pesquisadores descobriram um aumento na associação entre tabagismo e vários fatores de risco, incluindo idade acima de 60 anos, cariótipo complexo, sexo masculino, doença ASXL1-positiva, doença positiva para TP53, doença secundária e displasia. Doença positiva para as mutações NPM1, FLT3-ITD e intensidade do tratamento foram encontrados para ter uma associação negativa diminuída com tabagismo.

Porém, os cientistas não encontraram uma associação entre o tabagismo e o número de mutações que um paciente tinha.

O Dr. Alfayez observou que o estudo foi limitado pelo fato de ser estritamente uma revisão retrospectiva e a quantificação do histórico de tabagismo (quantidade e duração) não estava disponível devido à forma como a instituição capturou esses dados.

“Parece haver evidências contínuas de que fumar, para pacientes com LMA, está associado a anormalidades citogenéticas, e esta pesquisa adiciona novas informações sobre anormalidades moleculares à literatura”, disse Leslie R Ellis, MD, da Wake Forest University em Winston-Salem, Carolina do Norte, durante uma discussão sobre as descobertas do Dr. Alfayez e colegas.

Fonte: American Society of Clinical Oncology 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
×Close search
Search