skip to Main Content
Dores ósseas E Fraturas No Mieloma Múltiplo

Dores ósseas e fraturas no mieloma múltiplo

Coluna e bacia são as partes do corpo mais afetadas pelas células doentes  

Milhares de pessoas em todo o Brasil tratam este tipo de câncer, que tem início na medula óssea. As dores ósseas (em até 90% dos casos)  e fraturas no mieloma múltiplo podem afetar grande parte dos pacientes, mas saiba que é possível tratar!

Ossos, fundamentais ao corpo humano

Antes de entendermos como o mieloma múltiplo pode afetar os ossos, é muito importante conhecer o que é a estrutura óssea do corpo. Formada por um tecido ósseo, é caracterizada pela presença de células, cálcio, fosfato e fibras de colágeno. Eles são brancos e duros, formando, assim, o esqueleto do corpo.

São diversas as suas funções, como sustentar os tecidos moles, proteger os órgãos e a medula óssea, trazer mobilidade, produzir células, além de armazenar a liberação de minerais importantes na corrente sanguínea. Para termos uma noção, 90% do cálcio do corpo está presente nos ossos.

Mieloma múltiplo e Plasmocitomas, inimigos dos ossos

No mieloma múltiplo, no momento em que os linfócitos se diferenciam para, então, tornarem-se plasmócitos, ocorre uma mutação celular em um ou mais genes e eles passam a produzir plasmócitos defeituosos.

O paciente começa a ter fortes dores ósseas, em especial na coluna (dor nas costas) e na bacia (do no osso do quadril). Mas é possível que ossos como fêmur, úmero e costela sejam afetados. As fraturas espontâneas ou após traumas bem pequenos podem acontecer, o que é bastante perigoso. As lesões líticas, ou seja, a destruição do tecido ósseo, é frequente, causando dor e fraturas.

Tais células podem se acumular nos ossos, formando os plasmocitomas (tumores de células plasmócitos doentes), que podem crescer e invadir o osso e até outros órgãos. E quando isso acontece, os sintomas vêm à tona.

Como tratar os problemas ósseos no mieloma múltiplo

O primeiro passo será tratar o mieloma como um todo. Atualmente, existem diversas opções de tratamento, que incluem quimioterapia, inibidores de proteassoma, imunomoduladores e a imunoterapia. Especificamente para diminuir os problemas ósseos no mieloma múltiplo, será indicado o uso dos bifosfonatos e Denosumab, um tipo de anticorpo monoclonal.

Estes medicamentos atuam diminuindo a ação dos osteoclastos, células envolvidas na reabsorção do osso, diminuindo o remodelamento ósseo e aumentando a mineralização óssea.

Não é osteoporose!

Sim, é possível que pacientes e até mesmo médicos confundam os sintomas do mieloma múltiplo com os de osteoporose. Afinal, as dores na coluna e as fraturas são comuns em ambos os casos. Mas as diferenças entre as doenças são inúmeras!

Primeiro, o mieloma múltiplo é um câncer e a osteoporose, não. Outro ponto importante é que, na osteoporose, o paciente não apresenta lesões líticas e/ou plasmocitomas.

This Post Has 10 Comments
  1. Agradeço muito pelas informações recebidas.
    Meu marido tem MM, realizou o autotransplante no hospital São lucas em Ribeirão Preto, goje está completando 50 dias.
    Leio todas as informações wue Dr. Breno manda. Muito obrigada!

      1. Muito grata pela informação, a minha mãe descobriu MM à um ano, faz tratamentos quinzenais presentemente tem menos dores, não sei como vai ser daqui para frente, também já não é nova., bem haja.

  2. Gratidão Dr. Breno , pelas informações que pra mim é muito importante ! Pois meu marido tem Mieloma Múltiplo , com a descoberta em 2015 . Fez o transplante autólogo em 2016 , voltando em 2017 . Hoje faz uso do Dara , mas com múltiplas lesões líticas na coluna , bacia , úmero , fêmur e crânio . Senti muitas dores tomando o tramal retard , sem melhora ! Mas Deus nos dando força e o senhor nos orientando ! Que Deus te abençoe!

    1. Silvana, a escolha de bifosfonatos ou Denosumab vai pela função (insuficiência) renal. Neste caso que você mencionou, seria muito importante realizar uma consulta com um onco-hematologista para definir se o uso destes medicamentos é adequado e se a quimioterapia também deve fazer parte do protocolo. Sigo à disposição para qualquer dúvida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
×Close search
Search